“Ela é diferente. Não é uma viúva do bolsonarismo como o (ex-governador João) Doria. Ela tem um papel importante'

de CIRO GOMES // pré-candidato ao Planalto pelo PDT sobre Simone Tebet, que gostaria de ter como vice.

CORREIO DO ESTADO / GIBA UM


- Mariana Maltoni // Divulgação // Reprodução

O episódio protagonizado pela juíza Joana Ribeiro Zimmer, que não autorizou interrupção da gravidez numa menina estuprada de 11 anos, ganhou o noticiário internacional e que associaram o fato à má qualidade do ensino das faculdades de Direito no Brasil. 

Mais: para quem não sabe: o Brasil tem mais faculdades de Direito do que todos os países do mundo, juntos. Existem 1.240 cursos superiores para formação de advogados em todo o país. No resto do planeta, a soma chega a 1.100 universidades.

In – Janela pivotante 

Out – Janela maxim ar

Paternidade

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve incluir visita a trechos da transposição do rio São Francisco em Pernambuco, durante o tour pelo Nordeste em julho. A paternidade sobre a obra vem sendo alvo de tentativa de apropriação por Jair Bolsonaro (PL). 

Assessores do presidente Bolsonaro acham que a transposição e o Auxílio Brasil são os únicos trunfos dele para tentar reduzir um pouco a dianteira de Lula na região. E consideram essa novela do combustível, qualquer que seja seu desfecho mais próximo, só prejudicial à Bolsonaro nas urnas.

MEMÓRIA

Para quem tem memória curta: os governos do PT foram responsáveis por realizar 88% da transposição do rio São Francisco. Jair Bolsonaro completou apenas os 2,5% finais, percentual que ele nunca citará em seus discursos no Nordeste – e nem longe de lá.

Congelamento

Há quem aposte que a recente conversa de Bolsonaro e Paulo Guedes (Economia) com dirigentes de supermercados foi apenas o primeiro ato do projeto de congelamento dos preços da cesta básica. 

Seria até ingênuo imaginar que o episódio se concluísse com um pedido do ministro da Economia aos varejistas para não remarcar nas gôndolas os preços dos alimentos essenciais. 

O segundo ato deverá vir com uma proposta sob medida para supermercados: a contrapartida mediante um crédito tributário condicionado ao tempo do valor dos alimentos da cesta básica.

VALE-ALIMENTAÇÃO

Assessores do ministro Paulo Guedes (Economia) também pensaram num vale-alimentação. Só que a opção carrega contraindicações, tais como o dispêndio ser imediato, e não um precatório, além do fato da inflação ir comendo no dia seguinte o valor do tíquete. 

A medida mais provável é o congelamento da cesta básica. No encontro, Bolsonaro deu com sua presença um ar de gravidade institucional e agora pressiona Guedes para uma decisão urgente (as eleições estão chegando).

Pé atrás

Malgrado tenha sido empossado em maio, o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida já começa a incomodar o presidente Jair Bolsonaro, irritado com as últimas declarações dele sobre a Petrobras. 

Sachsida fez questão de distanciar o que é “governo' do que é “empresa', ressaltando que o primeiro não pode intervir na segunda, que continuará a manter seus preços de acordo com parâmetros internacionais. Bolsonaro acha que Sachsida “falou fora de hora'.

Restaurar as ideias

A travesti Linn da Quebrada, aos 31 anos, se tornou ainda mais famosa depois de sua passagem pela casa mais vigiada do Brasil, do Big Brother Brasil 22. Capa da Glamour digital ela explicou por que resolveu entrar no reality. 

“Senti que eu precisava ir para o Big Brother, mesmo com medo. O que me fez ir foi considerar a possibilidade de que, neste novo momento do Brasil, era possível que uma travesti chegasse à final e pudesse ganhar o maior reality show do país, criando um novo imaginário social de quem somos'. 

Linn confessou que apesar de estar feliz com o sucesso e de sua representatividade que considera um trampolim para que se chegue a lugares que antes não eram alcançados, mas também isso lhe tirou um pouco de sua privacidade e que as vezes sente sua intimidade invadida. 

Numa balança ela tenta equilibrar as coisas, mas com necessidade de ouvir a si mesma neste momento. “Convivi três meses na casa e sinto que agora pessoas me conhecem muito, mas eu não as conheço. 

Quando eu saio de casa, em carne viva, eu sinto que, agora, essas pessoas têm tudo de mim, que a minha intimidade se tornou pública. Eu preciso reconstruir em mim o que é privado. Tenho tentado ficar em silêncio para restaurar as ideias'.

General na embaixada

Enquanto Jair Bolsonaro avalia quem será o candidato a vice em sua chapa, membros do núcleo político de seu governo acharam uma “saída honrosa' para o general Braga Netto, caso ele não seja escolhido para a vaga. A ideia é que o militar assuma uma embaixada e, se não der, retorne ao Ministério da Defesa. 

Por enquanto, Braga Netto ainda é o favorito de Bolsonaro, mas o presidente também admite a possibilidade de ter Tereza Cristina, ex-ministra da Agricultura na vice. Ela é considerada a melhor alternativa pela ala política da campanha. 

Hoje, Braga Netto virou assessor direto da Presidência, onde pode permanecer até o final do mês. Na revista Piauí, Braga Netto teria manifestado a Valdemar Costa Neto preocupação com sua situação financeira, quando deixar o governo. 

Como general da reserva, recebe R$ 32,7 mil mensais. Seu cargo de assessor lhe dá direito a mais R$ 16,9 mil por mês. Se fosse nomeado embaixador, poderia ganhar entre R$ 45 mil e R$ 60 mil, dependendo do país e da cotação do dólar. 

Valdemar, à propósito, é um dos defensores da escolha de Tereza Cristina a vice, ao lado de Ciro Nogueira (Casa Civil).

Friend of  the House

A atriz Bruna Marquezine que agora ganhou o status de “atriz de Hollywood', por conta da personagem Jenny no filme O Besouro Azul, que está sendo gravado em Atlanta, Estados Unidos, não têm que se queixar da vida. 

Além do co-protagonismo do filme da DC Comics Films ela acaba de ser escolhida como nova Friend of the House, da joalheria Tiffany & Co. Ela se junta à atriz Camila Queiroz e a influenciadora Helena Bordon para ser uma das representantes da marca no Brasil. 

Ao contar a novidade em suas redes sociais, Bruna disse que se sente honrada pela tarefa e que trabalhar para grife, que ela aprecia, parecia um sonho distante. 

Complicado

O cenário é complicado para a candidatura a vice de Tereza Cristina. De cara, ela prefere se manter a corrida ao Senado, onde é favorita nas pesquisas. Só que, em segundo lugar, no Mato Grosso do Sul, está o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (União Brasil), um dos maiores desafetos do presidente. 

Outro problema é não desagradar os militares ao preterir Braga Netto para o posto, embora o maior empecilho seja convencer Jair Bolsonaro da troca.

Vale tudo

Jair Bolsonaro anda discutindo com assessores a possibilidade de viajar para os Estados Unidos para celebrar o acordo com a SpaceX, de Elon Musk, que acena com investimentos em internet gratuita na Amazônia. 

A principal motivação é o alarido que a recente reunião com Musk, no Brasil, provocou nas redes sociais. O presidente acredita que poderá chover votos em decorrência dessa viagem.

Solitária

Aos 64 anos, Ciro Gomes lançará sua quarta candidatura presidencial. E será uma campanha solitária: ele tentou negociar alianças em vários blocos e colecionou recusas. Sabe que não vai ganhar, mas não apoiará ninguém no segundo turno. 

Desta vez, nem irá a Paris depois do primeiro turno, como aconteceu nas eleições passadas. Detalhe: quando concorreu ao Planalto pela primeira vez, em 1996, o real valia um dólar e o litro da gasolina custava 80 centavos.

PROXIMIDADE

Antes da Parada LGBT+, o candidato a vice na chapa de Lula, Geraldo Alckmin, se reuniu com representantes do evento. Alckmin tem histórico conservador, mas vem buscando se aproximar de segmentos tradicionalmente ligados à esquerda, como gays, sindicalistas e sem-terra. 

E mais: jovens eleitores tem se aproximado dele. Tiram selfies, pedem autógrafos e abraçam o ex-governador paulista.

Mistura fina

HÁ algumas semanas, Paulo Guedes disse que pretende continuar onde está se Bolsonaro for reeleito. O problema, segundo analistas mais lúcidos, é saber se ele teria apoio para se segurar na cadeira. 

O ministro da Economia já era detestado pelos políticos do Centrão. Agora, está ganhando um mal querer também na visão dos militares que cercam Jair Bolsonaro.

DE olho no programa de concessões de infraestrutura: a Bahia Mineração (Bamin) e a Ecorodovias estudam pleitear o reequilíbrio dos contratos de concessão, respectivamente, da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste Leste) e da BR-153. 

O duplo movimento seria um duro golpe no Ministério da Infraestrutura. 

MAIS Infraestrutura: o legado de Tarcísio de Freitas no governo parece estar cheio de pontos de interrogação. O desmonte passa também pelos homens de confiança de Freitas. O ministro Ciro Nogueira (Casa Civil) trabalha nos bastidores para derrubar o diretor-geral do DNIT, general Antônio Leite dos Santos. 

O oficial foi levado para o governo pelas mãos do ex-ministro. Recentemente, Rodrigo Cruz, também ligado a Freitas, foi demitido do cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde.

UMA tentativa de aliança de Ciro Gomes com Simone Tebet (MDB) é considerada a última para ele. Divergências na área econômica são apontadas como principal problema pelos dois para uma eventual aliança na corrida ao Planalto. Embora eles já tenham feito acenos nesse sentido, o acordo é visto como muito distante.

O GOVERNO federal decidiu registrar, pelos canais diplomáticos, na ONU, seu repúdio ao ativismo obsessivo da ex-presidente do Chile, Michele Bachelet contra o Brasil. Os diplomatas acham que ela tem exagerado nas tentativas de fazer da ONU e do Comissariado de Direitos Humanos, que chefia, palanque de opositores ao governo Bolsonaro. 

Por enquanto, a reclamação brasileira será realizada em termos discretos.

COM a saída de João Doria da corrida à Presidência, Henrique Meirelles já pensa em retornar ao setor privado. Dessa vez, em negócio próprio, possivelmente uma consultoria. Por outro lado, vira e mexe, faz alguns acenos ao PT.

O PESSOAL da campanha de Lula fica torcendo para que o candidato não faça mais nenhum comentário fora de propósito, como vem se verificando nos últimos meses. Só que Lula soltou mais uma: sem nenhum motivo ou provocação, revelou dias atrás ter intermediado a libertação dos sequestradores do empresário Abílio Diniz.

O EL Tejar, um dos maiores grupos do agronegócio na Argentina, está buscando investidores brasileiros para se associar a operações na área de soja no país vizinho. No ano passado, os argentinos venderam seus negócios no Brasil para a Amaggi, de Blairo Maggi.