Açúcar bruto fecha em alta na ICE; café arábica recua | Brasilagro

BRASIL AGRO


Açúcar bruto fecha em alta na ICE; café arábica recua

Os contratos futuros doaçúcarbruto negociados na ICE avançaram nesta terça-feira, impulsionados por um cenário econômico mais favorável e por fundamentos positivos para o curto prazo.

O contrato março do açúcar bruto fechou em alta de 0,17 centavo de dólar, ou 1,4%, a 16,44 centavos dedólarpor libra-peso.

Operadores disseram que os volumes foram impulsionados nesta semana pela rolagem de posições mantidas por fundos de índices no contrato março, que vence em 26 de fevereiro, para o contrato maio.

As expectativas de inflação mais alta seguem impulsionando o interesse em commodities, acrescentaram.

A relação estoque-consumo de açúcar nosEstados Unidos, importante indicador para a avaliação da oferta e demanda, saltou pelo segundo mês consecutivo e atingiu 16,1%, segundo estimativa do Departamento de Agricultura norte-americano.

O açúcar branco para março avançou 3,20 dólares, ou 0,9%, para 475,20 dólares a tonelada. O primeiro contrato atingiu na segunda-feira uma máxima de 479,70 dólares, mais alto patamar desde abril de 2017.

Operadores disseram que uma entrega de cerca de 400 mil a 500 mil toneladas de açúcar branco é esperada para o contrato março, que expira na sexta-feira.

O contrato março docaféarábica fechou em queda de 1,15 centavo de dólar, ou 0,9%, a 1,2295 dólar por libra-peso, pressionado pela desvalorização do real no Brasil, maior produtor de arábica do mundo.

O real mais fraco eleva o valor de commodities precificadas em dólar nos termos de moeda local, podendo estimular as vendas por produtores.

O Brasil exportou 2,89 milhões de sacas de 60 kg de café verde em janeiro, queda de 8% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

O café robusta para março avançou 7 dólares, ou 0,5%, para 1.342 dólares a tonelada, em um mercado com condições calmas, já que o maior produtor global de robusta, o Vietnã, está prestes a iniciar as comemorações do Tet, na quarta-feira (Reuters, 9/2/21)