Presidente do TJMS desagrada a muitos, mas tem apoio desejado

MARTA FERREIRA / CAMPO GRANDE NEWS


Contar, à esquerda com o discurso impresso na mão, aguarda sua vez de falar durante a cerimônia de posse no TJMS (Foto: Paulo Francis)

Era um sonho – Deu o que falar o discurso de posse do desembargador Carlos Eduardo Contar como presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O tom de crítica a medidas de restrição contra a covid-19 virou notícia nacional e reverberou em vários setores, em geral de forma contrária. Mas teve apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). A apuração da coluna no meio jurídico indica que Contar atingiu um dos seus objetivos.

Deu certo... – Agradar o presidente é o que todo magistrado com pretensões de ocupar cargos nas cortes superiores deseja. Neste ano, a título de lembrança, Bolsonaro vai escolher o substituto no STF (Supremo Tribunal Federal) para o ministro Marco Aurélio de Mello, prestes a se aposentar.

Possibilidades - Diferente de outras cortes, onde há regras para a distribuição das vagas, no Supremo, a escolha é pessoal pelo Palácio do Planalto. Existe ainda previsão de sabatina por senadores, que não costumam impor dificuldades as escolhas do chefe da Nação.

Escudeira- A deputada Carla Zambelli (PSL/SP), aliada fiel ao presidente, foi uma das mais eufóricas ao compartilhar o discurso do magistrado sul-mato-grossense. O título do post a respeito diz tudo: “quando sentimos orgulho de um togado'.

Argumento – Na opinião da parlamentar, Carlos Eduardo Contar “destruiu a hipocrisia da mídia, políticos e oportunistas' durante a pandemia. A publicação misturou a fala do presidente do TJMS a imagens, entre elas do ex-ministro Luiz Hanrique Mandetta (DEM/MS) ao ser flagrado na praia.

Repúdio – Do outro lado, o Fórum Estadual Vacina para Todos publicou nota sobre o assunto. Formado por 49 entidades, a maioria sindicatos, o organismo classifica a fala do magistrado como lamentável e considera que ele minimizou a tragédia da pandemia no Brasil.

Concordo – Entre os que demonstraram concordar com as declarações polêmicas está o “pai' do ET Bilu, Urandir Fernandes de Oliveira. Pudera: ele está fazendo até campanha contra a vacina anti-coronavírus nas redes sociais.

Discordo – Urandir também se mostrou indignado com medida adotada pelo presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, cancelando regra segundo a qual transgêneros eram impedidos de servir as forças armadas. “A imoralidade bate a sua porta', escreveu, ao compartilhar notícia sobre o tema.

Segurança - A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) vai pagar R$ 4,6 milhões à empresa Mega Segurança para prestar serviço de vigilância armada e desarmada, além de ronda motorizada. Os serviços serão prestados em Campo Grande e na Fazenda Escola, em Terenos.

Prazo – A publicação oficial informa que serão dois anos de serviço. O contrato entra em vigência no dia 7 de fevereiro deste anos e segue até o dia 7 de fevereiro de 2022.